terça-feira, março 18, 2008

Notas do Blog

O blog Super8 esta completando no mês de março um ano de vida, e gostaria de agradecer a todos que deixaram mensagens, que criaram um "tempinho" para um lida rápida. Espero que vocês tenham recebido boas informações diante desse meio de comunicação; e afirmo que é um grande prazer escrever, encher esse blog de muitas informações. E espero que ele sobreviva por muito tempo.


Atenciosamente


Fabrício.

segunda-feira, março 17, 2008

Destaques nos cinemas

A FAMÍLIA SAVAGE
(The Savages, EUA, 2007) de Tamara Jenkins
Drama. Casal de irmãos cuidam do pai prostrado, enquanto tentam cuidar de suas vidas ordinárias.





O BANHEIRO DO PAPA
(El Baño Del Papa, Uruguai/Brasil, 2007) de Enrique Fernández e César Charlone
Comédia. Dois amigos “muambeiros” têm uma idéia de ouro para ganhar dinheiro na visita do Papa na sua cidade: instalam um banheiro no seu quintal para os romeiros “apertados”.




NÃO ESTOU LÁ
(I´m Not There, EUA, 2007) de Todd Haynes
Drama. A visão de um dos artistas mais importantes da atualidade, Bob Dylan, sob o ângulo de 6 fases criativos do cantor.






ANGEL
(Angel – The Real Life of Angel Deverell, Inglaterra/França, 2007) de François Ozon
Drama. Durante a Primeira Guerra Mundial, garota mimada tenta a qualquer custo mostrar os seus dotes artísticos num intuito de se transformar em uma escritora famosa.




CHEGA DE SAUDADE
(Brasil, 2008) de Laís Bodanzky
Drama. Casais de diferentes idades se encontram num baile exibindo um mosaico de dramas e alegrias.





ESTÔMAGO
(Brasil/Itália, 2007) de Marcos Jorge
Comédia. Nordestino consegue se sair bem como chef de cozinha em São Paulo, até ser preso.

domingo, março 16, 2008

Lançamentos em DVD

JUVENTUDE
(Sommarlek, Suécia, 1950) de Ingmar Bergman
Drama. Ao lembrar de um antigo caso amoroso, bailarina percebe que deu mais ênfase a sua vida profissional do que a afetiva.




VALENTE
(The Brave One, EUA, 2007) de Neil Jordan
Drama. Ao testemunhar a morte do namorado por um grupo de skinheads, radialista fica traumatizada, e desconta a raiva em mais violência.







CONDUTA DE RISCO
(Michael Clayton, EUA, 2007) de Tony Gilroy
Drama. Advogado é mandado a cuidar de um colega seu, mas acaba se adentrando em uma trama perigosa.





O PASSADO
(El Pasado, Argentina/Brasil, 2007) de Hector Babenco
Drama. Depois de se separar de sua amada, tradutor fica deslocado diante de suas relações com outras mulheres.





O ASSASSINATO DE JESSE JAMES PELO COVARDE ROBERT FORD
(The Assassination of Jesse James by the Coward Robert Ford, EUA, 2007) de Andrew Dominik
Drama. Temido pistoleiro, chefe de uma gangue sempre envolvida em assaltos, acaba se transformando num bandido mais perigoso dos EUA, causando admiração e repulsa.

segunda-feira, março 10, 2008

Tela Super8: JEVETTA STEELE - Calling You

Clip do filme Bagdad Café (Bagdad Cafe, Alemanha Ocidental, 1987) de Percy Adlon, um legítimo cult-movie que fez muito sucesso no mundo inteiro no fim dos anos 80. Com a bonita canção "Calling You" interpretada pela Jevetta Steele (indicado ao Oscar), o filme aborda os EUA sob a visão de um estrangeiro (especificamente de uma alemã), mas também exibe de um jeito singelo, como as oportunidades aparecem em nossas vidas de uma forma bastante inusitada e inesperada.


sexta-feira, março 07, 2008

Biografia: Francis Ford Coppola


Nascido nos Estados Unidos em 1939, Francis Ford Coppola se tornou um dos mais importantes cineastas da sua geração, influenciando jovens diretores em todo o mundo. Seus filmes revelam domínio absoluto dos meios de expressão e sempre são da melhor qualidade. Os temas, apesar de ousados, caíram no gosto do público. Seu primeiro longa-metragem, Agora Você É um Homem (1967) com Geraldine Page, foi um sucesso comercial; A Conversação (1974) com Gene Hackman, ganhou a Palma de Ouro em Cannes; O Poderoso Chefão I (1972) com Marlon Brando e James Caan, ganhou o Oscar de melhor filme e roteiro adaptado; e O Poderoso Chefão II (1974) com Al Pacino e Robert De Niro, levou os Oscars de direção e melhor filme. Apocalypse Now (1979) com Marlon Brando e Robert Duvall, premiado com a Palma de Ouro em Cannes, deixou perplexos gerações e mentes de críticos e público.


Fonte: Video Guia 1988

quarta-feira, março 05, 2008

Romeu + Julieta

O filme “Romeu + Julieta” conta a estória da paixão avassaladora de dois jovens: Romeu e Julieta. Porém, esse amor tem um grande obstáculo, pois os “pombinho” descobrem que fazem parte das duas famílias mais ricas e influentes da cidade de Verona Beach – como também são inimigas mortais. Romeu faz parte dos Montéquio; enquanto Julieta pertence a família Capuleto. Com esse cenário em desenvolvimento, o amor entre eles esta fadado a tragédia.

Exagerado, kitsch, excêntrico, barroco e extravagante. Eis as qualidades dessa adaptação única, e porque não, pessoal do diretor australiano Baz Luhrmann do clássico da literatura/teatro mundial. Se o musical Moulin Rouge – O Amor em Vermelho é o ponto alto da carreira do diretor (e olha que é a sua terceira obra!), Romeu + Julieta simboliza o passo inicial para o estilo ópera-bufa que o diretor imprime em seus trabalhos. E ele encontrou o veículo perfeito para dar essa guinada. Fiel a escrita de Shakespeare, porém a estória se passa no momento atual, em uma cidade caótica a beira do mar. Com uma linda fotografia que explora as cores quentes, especialmente o dourado, o filme exala criatividade com a sua montagem frenética, um belo desenho de produção que faz uma mistura do antigo medieval com o contemporâneo. Cruzes, santos, anjos luminosos são figuras constantes na cenografia. Enfim, uma adaptação criativa feita por um homem que soube misturar a sua paixão por Romeu & Julieta, mas sem esquecer a sua visão pessoal e profissional.

terça-feira, março 04, 2008

Blade Runner - O Caçador de Andróides

O filme “Blade Runner – O Caçador de Andróides” conta a estória do caçador de andróides, o agente Rick Deckard, que é contratado para achar e eliminar 4 andróides ou replicantes que fugiram de uma base espacial e retornaram ao planeta Terra deixando um rastro de destruição e morte no seu caminho. Além desse fato, Deckard acaba se envolvendo afetivamente pela andróide Rachael, uma garota fria e misteriosa.

Obra máxima do diretor inglês Ridley Scott, que faz uma obra riquíssima ao misturar ficção científica, film noir, expressionismo alemão e uma pitada de existencialismo. Ingredientes estes que fazem desse filme uma obra singular, adaptação do conto de Philip K. Dick (o mesmo autor de O Vingador do Futuro, Minority Report - A Nova Lei e O Homem Duplo). Com um visual avassalador (o enredo se passa numa Los Angeles escura, suja, confusa e que não para de chover em pleno ano de 2019), e uma trilha sonora que virou um clássico dos anos 80 (em que o grego Vangelis explora com perfeição música e som), o filme surpreende com o seu final poético e intimista, em que a caça feita pelo personagem do Harrison Ford ganha um perturbador significado. Um legítimo cult movie.

domingo, março 02, 2008

Piaf - Um Hino ao Amor

O filme “Piaf – Um Hino ao Amor” conta a estória de um mito da música francesa, Edith Piaf. Uma mulher que passou por inúmeros obstáculos até atingir a fama e a glória. Edith nasceu no começo do século XX em plena miséria. Filha de um pai percusionista de circo e mãe cantora de cabaré, ela passava os seus dias nas ruas parisienses. Até que um dia, o seu pai a entregou aos cuidados de uma cafetina, pois ele não tinha condições de cuidar da filha.
Mas o filme também aborda os seus últimos anos de vida, quando Edith sofre de um caso grave de reumatismo que a impede de fazer a coisa que ela mais gosta: cantar.
Impressionante filme francês que tem um desenho de produção espetacular (com certeza, receberá várias indicações para o Oscar 2008), que não deve em nada as super produções hollywoodianas. Mas o seu grande destaque é a atuação “espírita” de Marion Cotillard no papel de Edith Piaf. Ela esta absurdamente perfeita no papel, interpretando Piaf desde jovem até a velhice (mas vale frisar que a o trabalho de maquiagem teve um papel fundamental, ajudando e muito no trabalho da atriz).
Se o visual, o filme é digno de nota, o seu conteúdo deixa as vezes a desejar. Piaf, que teve uma vida tão atribulada como as canções que ela cantava, ganhou uma adaptação cinematográfica irregular. Com tantas idas e vindas na cronologia, que as vezes o filme ganha um ar de telefilme que não explora a personagem com profundidade. Piaf virou somente um símbolo de uma pessoa que saiu da pobreza para a glória; que soube viver num mundo em que a alegria vem sempre acompanhada de uma desgraça.