sábado, março 17, 2007

Destaques nos cinemas

Maria Antonieta (Marie Antoniette, EUA/França, 2006) de Sofia Coppola
Drama. A conturbada adolescência da futura rainha da França do século XVIII, que para aguentar a vida na monarquia, cai de cabeça no mundo da luxúria e do ócio.
*******************************************************
Notas Sobre Um Escândalo
(Notes On A Scandal, Inglaterra, 2006) de Richard Eyre
Drama. Professora autoritária se apaixona por uma colega sua, e faz de tudo para conquista-lá, incluindo chantagea-lá.
********************************************************
O Cheiro do Ralo
(Brasil, 2006) de Heitor Dhalia
Comédia dramática. Homem insuportável se apaixona por uma mulher, melhor, pela traseiro dela.
************************************************************
Um Amor Além do Muro(Der Rote Kakadu, Alemanha, 2006) de Dominik Graf
Drama. Antes da construção do murro de Berlim, um triângulo amoroso se instaura num ambiente que esta prestes a mudar.

sexta-feira, março 16, 2007

Lançamentos em DVD

Volver (Espanha, 2006) de Pedro Almodóvar
Drama. Mulher esconde o corpo do marido que foi morto pela sua filha. Enquanto isso, sua irmã recebe a visita do espírito da sua mãe.
************************************************************
Alemanha, Ano Zero
(Germania, Anno Zero, Itália, 1948) de Roberto Rossellini
Drama. Na Berlim destruída pela 2ª Guerra Mundial, um garoto tenta sobreviver em um ambiente hostil.
************************************************************
O Homem Que Não Vendeu Sua Alma (A Man For All Seasons, EUA, 1966) de Fred Zinnemann
Drama. Na Inglaterra do século XVI, homem briga com o Vaticano ao defender o divórcio do rei Henrique VIII.
************************************************************
O Deserto Vermelho (Il Deserto Rosso, Itália/França, 1964) de Michelangello Antonioni
Drama. Casal entra em crise, enquanto o ambiente que os cerca é marcado pela poluição industrial.
************************************************************
O Ano Em Que Meus Pais Saíram De Férias (Brasil, 2006) de Cao Hamburger
Drama. No auge da ditadura militar, casal de militantes foge e manda o seu filho para a casa dos avôs em São Paulo.
**************************************************
A Última Noite
(A Prarie Home Companion, EUA, 2006) de Robert Altman
Comédia dramática. O dia a dia da última gravação de um programa de rádio que existe há mais de 30 anos.

quinta-feira, março 15, 2007

Tela Super8: COLDPLAY - Trouble

Esta coluna é dedicada a videoclipes, cenas de filmes e curiosidades em geral. E para abrir com chave de ouro foi selecionado o clip da música Trouble (álbum Parachutes, 1999) da banda inglesa Coldplay. Mas vale ressaltar que esse clip não é o original, que é muito bonito por sinal, mas uma montagem sobre as imagens do belo filme Encontros & Desencontros (Lost In Translation, EUA, 2003) da cineasta Sofia Coppola.





Bom Divertimento!

domingo, março 11, 2007

Biografia: Stanley Kubrick

Stanley Kubrick (1928 – 1999) nasceu em Nova York, e é um dos maiores diretores da geração dos anos 50, o que já era visível em Glória Feita de Sangue (1957), com Kirk Douglas, Ralph Meeker, Laurence Olivier, um dos melhores filmes de guerra. Formado no documentário, Kubrick conta histórias com começo, meio e fim, usando habilmente os recursos técnicos, sempre a serviço da melhor expressão temática. Seus filmes – fábulas sobre a violência e o humanismo – com finais sempre instigantes, são, a um só tempo, ótimo cinema e grandes sucessos comerciais: Lolita (1962), com James Mason, Sue Lyon; Dr. Fantástico (1963) com Peter Sellers; 2001: Uma Odisséia No Espaço (1968), com Keir Dullea, Gary Lockwood; Laranja Mecânica (1971) com Malcom McDowell; Barry Lindon (1975) com Ryan O´Neal; O Iluminado (1980) com Jack Nicholson; Nascido Para Matar (1987); e o seu trabalho póstumo, De Olhos Bem Fechados (1999) com Tom Cruise e Nicole Kidman.

fonte: Video Guia 1988

Sessão Comédia: Mae West

Sempre irônica e bem-humorada, Mae West tornou-se uma das figuras mais folclóricas do cinema americano, principalmente por suas frases, às vezes ferinas, sobre as pessoas à sua volta. Abaixo, algumas delas:

Alison Skipworth, furiosa por Mae West roubar-lhe uma cena: “É bom que você saiba que eu sou uma atriz”. Resposta de Mae: “Ta legal, querida. Eu sei guardar segredo”.

“Você encontra um homem com duzentos dólares e o deixa com dois. Isso é que eu chamo de subtração.”

“Esqueça os dois metros. Vamos sobre os quinze centímetros.” (No filme Homem e Mulher Até Certo Ponto, a um rapaz que lhe dizia ter 2,15 metros de altura)

“Queridinha, eu fui a escola noturna.”(Explicando por que sabia tanto sobre os homens)

“O que importa não são os homens na minha vida, mas a vida dos meus homens.”

“Quando sou boa sou ótima, mas quando sou má sou melhor ainda.”

“Quando eu me vejo entre dois pecados, escolho sempre o que eu ainda não experimentei.”

“Nunca amei ninguém do jeito que amo a mim mesmo.”

“Isso aí é um revólver no seu bolso, ou você está contente em me ver?”

fonte: Video Guia 1988

sábado, março 10, 2007

Babel

O filme “Babel” conta quatro estórias que têm uma conexão: um rifle. Em Marrocos, dois garotos ganham um rifle para proteger o rebanho de cabras dos ataques dos coiotes. E durante o seu serviço, eles testam o alcance dos tiros da arma. E um dos tiros acaba atingindo, acidentalmente, um ônibus de turismo. Dentro desse ônibus, um casal americano joga todas as suas fichas nessa viagem, na busca de uma segunda chance ao seu fadado casamento. Até que a esposa é atingida gravemente por uma bala perdida. Nos EUA, os filhos desse casal estão sob os cuidados da empregada, uma imigrante mexicana ilegal, que tem a infeliz idéia de levar as crianças ao México para o casamento de seu filho. E no Japão, uma adolescente usa o sexo como uma forma de escapismo para lidar com o recente suicídio de sua mãe, e pela sua dificuldade de lidar com as outras pessoas por ser surda-muda.

O título do filme vem da parábola bíblica chamada Torre de Babel, em que o homem queria construir uma torre que alcançasse o céu. Deus, desgostoso com a idéia, joga uma praga aos homens: todos dessa torre falariam línguas diferentes. E assim, nunca mais poderiam se comunicar. O diretor mexicano Iñárritu (como Deus) também conduz a confusão que assola os seus personagens, tanto emocional (a surda-muda japonesa), quanto cultural (a família de marroquinos) ou político (a empregada mexicana ilegal) e até mesmo amorosa (o casal americano). Mesmo sendo bem dirigido e orquestrado (bela trilha, ótimos atores), o diretor fez o filme mais fraco da sua trilogia, iniciada pelo ótimo Amores Brutos e o excepcional 21 gramas. E também o mais acessível. O grande problema é que a ambição (ou o ego) dos realizadores do projeto foi maior que o contexto (o tema a ser explorado) da obra. A intenção do diretor era fazer um filme “profundo, contemporâneo e para massas”, mas acaba lembrando propaganda de político brasileiro: promete, mas não cumpre.

Volver

O filme “Volver” conta a estória da Raimunda. Mulher trabalhadora que sustenta o seu marido, um homem com mania de grandeza, e a sua filha, uma típica adolescente. E ela ainda tem de cuidar da sua irmã, a cabeleleira ingênua Soledad, e de uma tia sua que esta para bater as botas. Mas os problemas de fato ocorrem quando a sua tia morre, e o seu marido é assassinado pela sua própria filha. E para piorá, a sua irmã recebe a visita do espírito de sua mãe, morta em um estranho incêndio.

O novo filme do Almodóvar é a sua volta ao universo feminino, e também é um dos seus filmes mais leves e acessíveis. Mesmo que o seu tema seja as relações familiares e os seus segredos mais pitorescos (vide o abuso sexual de menores), o diretor faz uma bela homenagem aos melodramas italianos dos anos 50/60. Em que a voluptuosa Penélope Cruz (excelente) engordou e usa decotes que lembram as divas italianas Sofia Loren, Anna Magnani e Gina Lolobrigida.

Mas não se pode falar do filme sem citar a musa do Almodóvar dos anos 80, Carmen Maura. Separados há 18 anos, Carmen volta num papel sob medida para o seu talento: achar humor/humanismo nos lugares mais incomuns. Mas o recado que o Almodóvar deu a atriz e a sua personagem vale para o público: não existe melhor maneira de acertar as contas quando se tem uma segunda chance. Segunda chance essa em que podemos descobrir a nossa própria humanidade.

Mistérios da Carne

O filme “Mistérios da Carne” conta a estória de dois garotos (Neil e Brian) que tiveram experiências distintas quando eram pequenos. Brian tem uma fixação por extra-terrestres pois acha que foi abduzido por ets na infância. Já Neil é um caso a parte. Desde pequeno sempre teve fascínio por sexo, especialmente por homens. E esse fato aflora com a sua entrada num time de beisebol, onde o garoto sente uma grande atração pelo técnico do time. Atração esta que parece ser correspondida – o filme não mostra isso explicitamente, mas dá pra sentir uma forte atração sexual entre os dois, resultando numa estória de amor incomum.

Saber mais do enredo seria estragar as surpresas que o filme reserva para o público. Mas vale ressaltar que esse é o trabalho mais maduro e intrigante do cineasta Gregg Araki. Cineasta que é lembrado pelos seus filmes provocativos e transgressores nos anos 90 (Estrada Para Lugar Nenhum, Splendor). Mas que nesse seu novo trabalho, ele equilibra bem o tom provocador com uma postura mais séria, percorrendo o mesmo caminho que o espanhol Pedro Almodóvar esta fazendo atualmente. Mas se o espanhol envereda pelo surreal, o diretor americano surpreende pela tristeza e melancolia do seu enredo. Uma típica obra que deixa um sabor amargo na boca.